quinta-feira, 11 de abril de 2013

Reunião do Confusofin

O conselho de ministros das finanças da Confusolândia tinha começado havia meia hora, e os ministros iam-se revezando na descrição das medidas de austeridade que já tinham implementado nos respectivos países.

Dizia um: "Depois da trigésima quinta visita da troika já tínhamos aprovado uma taxa sobre o ar respirado dentro das casas. Agora, na sequência da septuagésima sétima avaliação, privatizámos o ar público. A empresa que ganhou a adjudicação fornece máscaras com contadores de ar a todos os cidadãos, e o ar respirado é pago mensalmente por débito em conta."

Um murmúrio respeitoso ouviu-se à volta da mesa. Alguns ministros tomavam notas. Era sempre bom ter ideias em carteira para quando se revelassem necessárias.

Outro ministro avançou: "No meu país já temos profissionais a pagar para trabalhar. Fizemos uma campanha com fundos comunitários para os convencer que, se não exercitarem os seus skills de forma regular, ficarão em desvantagem quando surgir a oportunidade de regressar ao mercado de trabalho. E a resposta à campanha foi muito positiva!"

Sorrisos de aprovação dos participantes da reunião.

Havia já vários anos que os telemóveis tinham de ser deixados à porta, para evitar fugas de informação. Um assessor entrou na sala e anunciou: "Uma chamada telefónica para o ministro de Parvual."

O ministro levantou-se e foi à sala do lado para atender. Do outro lado da linha reconheceu a voz bem timbrada do seu primeiro-ministro.

"Senhor primeiro-ministro, já descrevi a nossa medida de fixação de taxas de desemprego por profissões, para manter os salários baixos. Alguns acharam que a taxa para engenheiros era baixa, e podia subir vários pontos percentuais, porque assim como assim já não temos praticamente indústria. Mas de um modo geral a medida foi muito elogiada."

"Este telefonema é precisamente sobre isso" – disse o primeiro-ministro. "Estivemos a apurar os últimos números, e com o último aumento que fizemos à taxa para economistas, de 30 para 45 por cento, ficaste de fora. Estás sem emprego. Portanto faz as malas, apanha um voo de regresso – em classe económica, porque como ainda não foste exonerado, ainda tens que dar o exemplo – e até amanhã!"

O ex-ministro das finanças de Parvual ficou a olhar sem ver a parede em frente, e pousou lentamente o telefone no descanso. Por alguma razão, mesmo com enoooorme esforço, não conseguia ver o seu afastamento como um mero dano colateral das políticas acertadas que o governo a que tinha deixado de pertencer estava a tomar para o desejado regresso aos mercados...

E muito menos como uma oportunidade...

1 comentário:

Olinda P. Gil © disse...

Quando terminei dei uma gargalhadinha surda e sarcástica