sábado, 5 de setembro de 2009

A escrita infinita

O homem sentado num sofá no lobby do Hotel Blau Varadero observa minuciosamente os clientes que entram e saem, os que se dirigem à recepção, os que estão simplesmente sentados à espera do autocarro que os levará ao aeroporto, enquanto escreve, num pequeno caderno de capa preta, histórias sobre as pessoas que observa. Inventa-lhes uma vida, relações, motivações, trajectórias…
No balcão do primeiro andar, um outro homem observa o homem que escreve, e por sua vez escreve uma história em que o primeiro escritor aparece como personagem…
E há um rumor de que esta situação se prolonga, isto é, que em cada andar existe um escritor que escreve uma história sobre o escritor do andar abaixo, havendo mesmo um grupo extremista que defende que “são sempre escritores por aí acima…”
Um argentino garantiu-me que tinha visto Cortázar e Borges, sentados a uma mesa no Piano Bar do hotel, tentando cada um deles escrever uma história mais fantástica que a do outro enquanto alguém, no piano de cauda, martelava um tango...
E entretanto, no último piso do hotel, lá onde as trepadeiras abandonam os seus ramos à gravidade, Calvino, os cotovelos apoiados sobre o balcão, elabora cuidadosamente uma nova teoria sobre escritores que escrevem sobre escritores em hotéis das Caraíbas…

9 comentários:

Pé na estrada disse...

Então em que andar deste hotel estava o escritor desta história escrevendo sobre os diversos escritores que escrevem os seus escritos numa cadeia contínua de linhas e traços?

Moura Aveirense disse...

Hummm, férias em Cuba? :)

João Ventura disse...

Pé na estrada: Já estava em Lisboa, revivendo o passado recente :)

Moura: Bruxa! :P

Bjns às duas.

Maria, Simplesmente disse...

João Ventura:
Todos os escritores escrevem sobre os escritores que escrevem sobre outros escritores, que escrevem sobre outros escritores, até chegar às histórias por si vividas, que são escritas também por outros escritores... desculpe... mas faltou-me o folgo...
Todos temos histórias, todos gostamos de escrever histórias sobre as nossas vivências e as dos outros.
Bom domingo
Maria

Francisco Norega disse...

Por um conjunto de factores de que não me sinto orgulhoso deixei de ler este blog, que segui assiduamente em tempos. Espero que agora volte de vez :)

Deixei no meu blog, no último post, uma referência a um concurso chamado "Histórias Liliputianas". Acho que te podem interessar ;)

Abraço

João Ventura disse...

Maria; obrigado pela visita, volta sempre.
Francisco: welcome back :)

Maria, Simplesmente disse...

Venho até cá... vou embora... volto... e nada de histórias.
Não me diga que desistiu!
Quando volta?
Fico à espera.
Maria

João Ventura disse...

Olá Maria
Só tenho que agradecer a persistência (e a paciência :)
Tenho andado de facto muito ausente (não sei mesmo se não terei já chumbado por faltas...)

Desculpas:
a) Andei a escrever um conto para uma antologia que deve sair no fim do ano
b) Idem outro conto (este é maiorzinho, quase uma noveleta...) para outra antologia, que ainda está a crescer e que já está com a entrega atrasada!

Mas encontrei recentemente na gaveta um contito antigo que vou colocar aqui nos próximos dias (tenho que tratar bem os clientes regulares, se não eles vão comprar a outra loja... :)

Bjns

Francisco Norega disse...

"(tenho que tratar bem os clientes regulares, se não eles vão comprar a outra loja... :)"
Que tens de nos tratar bem, concordo, mas está descansado que (pelo menos eu) não vou comprar a outra loja :P

**